Histórias de faz-de-conta para prevenir acidentes

[29/6/2008] A contadora de histórias Viviane Coentro, o médico resgatista e aeroespacial Leonardo da Vinci Siqueira e a pedagoga e gerontologista Wanda Patrocinio foram os convidados do Programa de Treinamento realizado na quinta-feira (26), no salão nobre da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp. Por meio de práticas de cuidado, histórias de faz-de-conta e massagem corporal, os três começaram a trabalhar juntos para ensinar as pessoas como prevenir acidentes e melhorar a qualidade de vida.

De acordo com Leonardo, um aprendizado passa a ser automático depois de um tempo, e as pessoas começam a repeti-lo várias vezes ao dia. De cada 379 repetições em média, uma pode causar acidentes. "O acidente é uma tragédia organizada e a grande maioria acontece dentro de casa", disse Leonardo.

Acostumado a atender chamadas de emergência para socorrer pessoas envolvidas em acidentes de carro ou aéreos, Leonardo percebeu que era difícil passar para as pessoas normas de segurança ou discutir temas nem sempre agradáveis. Elas sentiam repulsa.

Para resolver essa questão, Leonardo convidou Viviane para contar suas histórias. "A arte de contar histórias é um convite à imaginação em que tudo é possível. A história fala, no momento certo, o que cada um precisa ouvir", explicou Viviane.

Entre um tema racional e uma história do "era uma vez", a preparação física é importante. Por isso, as técnicas de conscientização corporal, relaxamento e meditação, feitos por Wanda, entram para compor o trabalho do trio. Com um fechar de olhos aqui, uma automassagem ali, Wanda conduz o participante a entender o que sente e aonde pode chegar.

Hoje em dia, de acordo com os palestrantes, todo mundo fala em qualidade de vida, mas poucos realmente a tem, seja por questões de ordem física, emocional, social ou profissional. No caminhar da vida, muitos entram numa área de conforto e criam armadilhas para si. O segredo para sair de situações de estresse, segundo os três, consiste em ser flexível, rever seus atos e entender que não existe culpa, mas sim responsabilidade, olhando para os problemas como um desafio. E essa é a diferença daqueles que acham que cair da escada ou bater o carro são questões do azar.

Escrito pelo jornalista Edimilson Montalti

GeroVida Todos os direitos reservados.2017 - Desenvolvimento - Dinamicsite®